Alheio

 

Se eu suspiro é por ela.

Se me perco em pensamentos

É porque em ti estou pensando.

 

Se me distraio em meio a formulas matemáticas

Na sala de aula,

De certo estou vagando por nossas lembranças.

 

Se na calada da noite

Fico inquieto,

Abrindo em vão a porta da geladeira,

É porque te quero por perto.

 

E se acordei contemplando seu retrato,

De certo te encontrei em meus sonhos.

E se abri meus olhos foi por puro engano.

 

 

  

Anderson Angelo 05/10/2011

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

Xícara de Café

 

Sentado em meio a pensamentos

Encontro minha companheira maquina de escrever,

Ao seu lado a fiel xícara de café.

 

Coloco uma folha em branco,

Preencho meus pensamentos de você, começo a escrever.

O som de meus dedos a cada nova palavra ecoa em meio à madrugada.

 

Escrevo sobre o que me retirou da cama,

A inspiração de infinitas histórias,

Escrevo sobre o que sinto por você.

 

Relato em sucintas palavras

O que este sentimento me causa,

Das lagrimas desperdiçadas,

Dos sorrisos encantados,

Dos olhares paralisados,

Dos infinitos beijos apaixonados.

 

Anderson Angelo 17/07/2012

 

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

Full Time

 

Festa com amigos é agitada,

Sem hora marcada.

 

Risadas aladas,

Música alta,

Amigos, amigas, primos, namoradas.

 

Festa com os amigos,

É em todo lugar até a noite acabar.

 

Transforma o incerto no eterno,

O comum em único,

O conhecido em amigo.

 

Como um conjunto de estrelas,

Alegrando a noite,

Com simples palavras,

Com sinceras risadas.

 

 

Para um certo Crítico Underground e seu Full Time.

Anderson A. 04/07/2011

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

O Amado

Declamo meu amor em versos,

Para ti minha amada a mais bela dentre as belas

Como um lírio entre os espinhos é a minha amada entre as jovens

Seu sorriso, um símbolo sagrado como o nascer do sol.

Seus olhos o encanto, como o brilho das estrelas no céu.

Apressa-te e juntos contemplaremos a primavera,

As flores nos campos que nascem e crescem,

O sol que aquece,

Os pássaros com seus cânticos alados,

A noite que floresce dentre as nuvens,

E a lua nossa bela testemunha

Acompanhada de suas fiéis companheiras estrelas.

Suas faces são como o mais fino véu,

O mais suave dos tecidos.

Seus lábios são como um fio vermelho;

Sua boca belíssima.

Encanto-me a cada detalhe seu,

A perfeição de Deus derramada em seu ser.

Anderson A. 15/07/2011

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

Beija-flor

 

Oh beija flor,

Já não repousa nas rosas,

Não encontra mais o perfume dos campos.

Onde estás,

Onde vive.

 

Oh beija flor,

Não bate mais suas sublimes asas,

Não cativas mais suas flores amadas.

 

Oh beija Flor,

Esqueceu de suas tardes passadas?

Tardes regadas de encantos,

Tarde de encontro.

 

Beija flor,

Voa e procure seus campos,

Onde possa amar,

E se alimentar deste néctar,

O amor ao qual nunca acabará.

 

Anderson A. 11/07/2011

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

Começo, Meio…

 

Um toque,

Um sinal do adormecido que acordará,

Uma mensagem, poucas palavras.

 

O ato do fim e do começo.

Ao ler o desespero.

 

Lagrimas involuntárias,

Mãos tremulas,

Um grito para o nada.

 

Um sentimento que a muito adormecia voltara,

Expresso em poucas palavras,

O Susto,

O Medo,

O Ódio,

Ao saber que ainda o amava,

Mas o orgulho em meio á magoa,

Afastava.

 

Mas os sintomas ali estavam,

Ainda o amava.

 

Orgulho vendido,

Outra mensagem,

Sempre te amei minha amada.

 

Um sorriso em meio a lagrimas,

O fim de um amor terminará,

Duas almas de volta para casa,

O amor vencia mais esta batalha.

 

 

Anderson A. 21/06/2011

Para minha amiga amada que contempla o seu final feliz.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

03h00

 

Tic tac,

O relógio marca 03h00 da madrugada,

O sono passa longe,

A insônia incomoda,

Nada passa.

 

Tic, tac,

Olhos fechados,

Pensamentos alados,

A cama sufocada.

 

Tic tac,

Um copo d’água,

O iluminar da geladeira em meio à escura madrugada,

O som da porta fechada.

 

Tic tac,

De volta à cama,

Falta ainda alguma coisa,

O sono que não voltara.

 

Tic tac,

Fecha os olhos,

Não se ouve mais nada.

 

Tic tac,

Acordo em meio ao nada,

Ligo despertador,

Ainda 03h10 da madrugada.

 

Tic tac,

A noite nunca acaba.

 

Anderson A.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias